PL EN


2016 | 19 | 125-152
Article title

ESTATUTO DA METRÓPOLE E GESTÃO DE AGLOMERADOS URBANOS NO BRASIL

Content
Title variants
EN
Statute of the Metropolis and Management of Urban Agglomerations in Brazil
Languages of publication
PT
Abstracts
PT
O Brasil está organizado como uma federação tripartite, em que os municípios lograram a condição de entes federativos e responsáveis pela política urbana. Esta, no entanto, não se resume à ordenação do uso do solo, mas também a políticas setoriais, como o saneamento, a habitação e mobilidade, que geralmente extravasam as fronteiras municipais. Nesse contexto, a lei do Estatuto da Metrópole veio preencher uma lacuna nas formas de coordenação interfederativa para a gestão de territórios que constituem aglomerações urbanas, mas não são entes federativos. Trata-se de um importante avanço normativo que, no entanto, está a espera de avanços na cooperação federativa para o financiamento dos serviços de interesse interfederativo.
EN
Brazil is politically and administratively organized as a tripartite federation, in which municipalities have achieved the status of federative entities and are now responsible for the urban policy. This, however, is not just about land use planning, but it also concerns sectoral policies such as sanitation, housing and mobility, which often go beyond municipal boundaries. In this context, the Statute of the Metropolis Act has filled a gap in the forms of interfederative coordination for the management of territories that constitute urban agglomerations, but are not federal entities. This is an important policy development, however, which is still awaiting progress in the federative cooperation for the financing of interfederative interest services.
Year
Issue
19
Pages
125-152
Physical description
Contributors
References
  • Afonso, J.R. (2004), Brasil, um caso à parte. In: XVI Regional Seminar of Fiscal Policy, San-tiago do Chile: CEPAL/ILPES, www.federativo.gov.br. (acesso: 10.01.2004).
  • Alves, A.C. (2001), “Regiões Metropolitanas, Aglomerações Urbanas e Microrregiões: novas dimensões constitucionais da organização do Estado brasileiro”, Revista de Direito Am-biental, vol. 21, ano 6., jan.-mar., pp. 57-82.
  • Becker, B.E Egler, C. (1992), Brasil. Uma potencia regional na Economia-Mundo, Rio de Ja-neiro: Bertrand Brasil.
  • Diário Oficial da República Federativa do Brasil (1938), Decreto-Lei n. 311, de 2 de março de 1938, Poder Executivo, 7 de março, Rio de Janeiro, DF: Poder Executivo.
  • Diário Oficial da República Federativa do Brasil (2011), Decreto n. 7.508 de 28 de junho de 2011, , 29 jun., Brasília, DF: Poder Executivo.
  • Diário Oficial da República Federativa do Brasil (1996), Emenda à Constituição n. 14 de 12 de setembro de 1996, 13 set., Brasília, DF: Poder Executivo.
  • Diário Oficial da República Federativa do Brasil (2000), Emenda à Constituição n. 29 de 13 de setembro de 2000, 14 set., Brasília, DF: Poder Executivo.
  • Diário Oficial da República Federativa do Brasil (1990), Lei n. 8.080 de 19 de setembro de 1990, 20 set., Brasília, DF: Poder Executivo.
  • Diário Oficial da República Federativa do Brasil (2001), Lei n. 10.257, de 10 de julho de 2001, 11 jul., Brasília, DF: Poder Executivo.
  • Diário Oficial da República Federativa do Brasil (2007), Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007, 21 jun., Brasília, DF: Poder Executivo.
  • Diário Oficial da República Federativa do Brasil (2015), Lei n. 13.089, de 12 de janeiro de 2015, 13 jan., Brasília, DF: Poder Executivo.
  • Diário Oficial da República Federativa do Brasil (2006), Medida Provisória n. 339 de 28 de dezembro de 2006, (convertida na Lei no. 11.494/2007), 29 dez., Brasília, DF: Poder Executivo.
  • IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Arranjos Populacionais e Concentrações Urbanas do Brasil, ftp://geoftp.ibge.gov.br/organizacao_¬territo¬rial/¬arranjos_¬popu-lacionais/arranjos_populacionais.pdf (acesso: 20.08.20150).
  • Lenza, P. (2012), Direito Constitucional Esquematizado, São Paulo: Saraiva.
  • Molotch, H. (1976), “The City as a Growth Machine: Towards a Political Economy of Place”, American Journal of Sociology, vol. 82, n. 2, pp. 309-332.
  • Randolph, R. (2014), “Cooperação federativa, arenas sócio-políticas espaciais e arranjos insti-tucionais”, em: R. Randolph, H.E. Siqueira, A. Oliveira (org.), Planejamento, políticas e experiências de desenvolvimento regional: problemáticas e desafios, Rio de Janeiro: Letra Capital, pp. 186-199.
  • Rezende, F.E Cunha, A. (2013), A reforma esquecida. Orçamento, gestão pública e desenvol-vimento, Rio de Janeiro: FGV.
  • Santos, Moulin S. Penalva A. (2008), Município, descentralização e território, Rio de Janeiro: Forense.
  • Santos, Moulin S. Penalva A. (2012a), “Finanças Públicas: uma análise da autonomia financeira dos municípios brasileiros na primeira década do século XXI”, Revista do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, vol. 7, n. 1, jan./jun., pp. 8-18.
  • Santos, Moulin S. Penalva A. (2012b), “Cidades médias: novas fronteiras de oportunidades”, em: A. Moulin Penalva Santos, G. Marafon, M.J.E. Sant`Anna (org.), Rio de Janeiro: Um território em mutação, Rio de Janeiro: Gramma, pp. 47-72.
  • Santos, Moulin S. Penalva A. (2014), “Política Urbana no Contexto Federativo Brasileiro: entre a cidade do plano e a cidade real”, em: A. Moulin Penalva Santos, M.J. Sant’anna. (org.), Transformações territoriais no Rio de Janeiro do século XXI, Rio de Janeiro: Gramma, pp. 3-30.
  • Silva, J.A. (2005), Curso de Direito Constitucional Positivo, São Paulo: Ed. Malheiros.
  • Veiga, J.E. (2002), Cidades imaginárias. O Brasil é menos urbano do que se calcula, Campi-nas: Ed. Autores Associados.
Document Type
Publication order reference
Identifiers
YADDA identifier
bwmeta1.element.desklight-29cc0c53-15d7-40b6-bd5e-faa25ca1e0ce
JavaScript is turned off in your web browser. Turn it on to take full advantage of this site, then refresh the page.